Despedida sem abraço

Ligi@Tomarchio®

Apunhalada nas entranhas
insignificante, recolhi-me.
Escondidas, as lágrimas surgiam...
Odor pútrido,
feridas expostas, ainda.

Traída,
em lamentos profanos
desculpas, não esperei.

Do luar,
companheiro de tantos tormentos,
recebi alento
e acuada me deitei.

Magoada,
contrita permanecia
cônscia das convicções adquiridas.
Preocupados raios de sol
em minha face roçaram e rezei.

Perscrutei-me
prostrada a beira mar
meu olhar imantado pelo sol
ergueu-se em súplica...

Coração partido não desculpa
nem atenua a culpa
de quem partindo
um abraço tenha negado.

Entregue às águas gélidas
assim como meu corpo está
no meu último suspiro indolor
sussurro seu nome...

Ligi@Tomarchio®
SP - 28/06/2006

***
Respeite os direitos autorais
Postado em 27.02.2009
***

Voltar